quarta-feira, 28 de agosto de 2013

Sushi

Uma paixão, que quando partilhada com amigos, é TOP!

A semana passada, primeiro com as minha amigas de sempre, irmãs de coração, que fazem parte de mim como os meus braços e pernas, e depois com outros amigos, de sempre também, que para mim são Família, e que conheço desde que me lembro, num jantar-ritual obrigatório no Verão.

Em noites quentes, de conversas sem fim pela madrugada, com vontade de assim ficar eternamente. Bom, bom, bom!

 


quinta-feira, 22 de agosto de 2013

Asneiraaa!!!

Bem grande!!

E a culpa é toda do marido querido!!


Hambúrguer com queijo, alface, tomate e batatas. E uma pint de Guiness*





*o suficiente para ter uma subida de leite louca e repentina. Desconheço fundamentos científicos, hei-de investigar, mas comigo a história da cerveja preta funciona



Uma asneira é uma asneira, mas quando tem esta vista até se desculpa...



  

E soube tãaooo bem!

terça-feira, 20 de agosto de 2013

Day #1

Bom pequeno-almoço, almoço-experiência num "clube de nutrição" (explicação para um outro post), jantar* em casa com convidado especial...que trouxe uma sobremesa "maldosa" para quem está no seu primeiro dia de plano, mas suuuper bem recebida: gelados Santini. Boa altura para nos lembrarmos deste post!!

* Lombo de porco com maçã e moscatel, arroz árabe e muita salada. Sem sopa, porque houve entradas












domingo, 18 de agosto de 2013

Amanhã

O eterno começo, o "amanhã"...
Mas para mim tem mesmo que ser.

Vou começar um novo plano de recuperação e esta semana tenho já que perder peso. Estou nos 76 kg, e a viagem vai começar outra vez. 
Para já, controlo máximo na alimentação, e daqui a uns dias começo a recuperação física intensa, nuns moldes novos para mim, mas cuja ideia me agrada bastante.

Por isso, novidades para breve.

Apesar de não ter ido ainda à Dra. Maria Ana, vou fazer este plano, ao qual vou acrescentar hidratos de carbono à noite, um pão de cereais ao lanche e, caso tenha fome e dado que durmo tarde, uma ceia. 

O facto de estar a dar de mamar em exclusivo pesa bastante nestas alterações: já sei que não perderei peso tão rapidamente, mas de certeza que vai fazer diferença em relação ao regime actual - refrigerantes, e muuuuuuitos gelados. Gelados, a minha perdição de Verão.
Let's go!




A caríssima Judite e o pobre Lorenzo

Caríssima Judite,
Começo a acreditar que o comunismo é um vírus e que boa parte dos portugueses foram terrivelmente atacados.
A Judite, já se vê, também não escapou à praga.
Com que então só somos um país livre se formos todos pobres?

Ora vejamos que disse a caríssima Judite com as perguntas que fez:
- Que não se deve ser rico. É feio para com os outros.
- Que quem não se importa com esta primeira premissa e é rico não pode usar o seu dinheiro livremente. O seu dinheiro. Porque pode ofender os outros, os menos ricos, os remediados e os pobres.
- Que os ricos que possuam qualquer ligação a Portugal, por remota que seja, têm a obrigação moral de participar na recuperação financeira do país. Como é que a troika não pensou nisto? Genial.
- Que um miúdo com a minha idade não pode ter uma festa a celebrar o dom da sua vida da maneira como acha que deve ser celebrada. Mesmo que isso implique não roubar, não matar, não transgredir nenhuma lei. Porque miúdo que faz uma festa de 300 mil euros, em vez de uma celebração com um bolo de arroz de 3 euros e um fósforo num qualquer jardim público com meia dúzia de amigos, merece ser enxovalhado na televisão nacional
- Quem tem mais dinheiro do que os outros, não obstante tal dever-se ao facto de ter gerado alguma forma de riqueza para a sociedade e ter sido desta forma recompensado, deve-se sentir culpado e ter a consciência pesada por não ser pobrezinho, por não estar a viver num T1 arrendado sem elevador em Rio de Mouro, por não ter que ir ao minipreço e usar os cupões de descontos ou andar de autocarro, metro, ou até mesmo sentir-se culpado por não ter os pés calejados e os sapatos rotos de tanto andar a pé nos dias de greve.

Pois, caríssima Judite, as suas teorias têm um preço elevadíssimo: a própria liberdade e o direito à autodeterminação de uma Pessoa. E já foram testadas na União Soviética, como devia saber. O resultado não foi positivo. Aliás, também queriam fazer o mesmo em Portugal...mas bons e ricos homens não deixaram que tal acontecesse!

Seguindo a sua linha de pensamento, caríssima Judite, para quê que vai de férias para o Algarve, podendo usufruir das praias de Carcavelos, da Parede, do Estoril..? Não acha ofensivo para todos aqueles que ganham o seu bronze nas paragens de autocarro? Em quê que fica a sua "obrigação moral"?

Talvez no esforço por um exercício mais cuidado e digno da sua profissão?

E, já agora, a caríssima Judite é com certeza mais rica que eu. Se estiver de boa vontade em partilhar a sua riqueza comigo e com mais uns quantos, julgo que nenhum de nós se importará.


Catarina Nicolau Campos

sábado, 17 de agosto de 2013

"Alguns Nutricionistas devem estar Loucos"

O texto não é meu, mas de uma nutricionista, Ana Filipa Baião, e acho bastante pertinente para esta altura do ano, em que proliferam as dietas "flash" nada saudáveis para o organismo.

Já começa a ser habitual por esta altura do ano, com o mercúrio a subir e a roupa a diminuir, surgirem nas prateleiras de livrarias, de centros comerciais, de hiper e supermercados, de lojas de conveniência e, até, mais recentemente em revistas semanais, livros e fascículos com promessas de perda de peso rápida e sem sacrifícios.

Saem como pipocas novos livros, novos autores, nutricionistas, investigadores, com a chave para um emagrecimento rápido e sem se abdicar dos alimentos que mais gostamos, que por consequente são também os mais calóricos, como os gelados, os hambúrgueres, as batatas fritas, entre outros.

Avaliando a prevalência de obesidade no nosso país é esperado e tal qual como acontece em outros países que apresentam uma taxa de prevalência de excesso de peso /obesidade superior a 50% da população, que nesta altura do ano com o desejo na perda de peso mais forte se aceitem propostas de emagrecimento rápido.

Neste último ano temos assistido, de forma passiva, à publicação de livros de sugestões de emagrecimento que do ponto de vista nutricional nos dão que pensar.

As dietas proteinadas, assim como novos conceitos de emagrecimento rápido com jejuns prolongados, são cada vez mais aceites. Estas dietas foram importadas de Países como a América do Norte e até mesmo França. São dietas com resultados rápidos, de baixo valor calórico e de baixo índice glicémico, mas que obrigam a uma prescrição, caso a caso e, a constante vigilância médica/ nutricional.
Mas, até que ponto estamos a salvaguardar a saúde do individuo que decide, sem vigilância médica, seguir um plano proteinado? Será correto publicar um livro com sugestão proteinada para perda de peso, sabendo que para o comum leitor esta pode ser uma via aliciante para a perda de peso rápida, sem se avaliar o seu perfil clínico? Estão referidas todas as situações clínicas em que não se pode seguir um plano proteinado? E este tipo de plano pode ser seguido durante quanto tempo?

As dietas proteinadas, que recorrem a alimentos convencionais, apresentam uma composição em mais de 50% de produtos de origem animal, como fiambres, produtos de charcutaria, queijos, carnes e peixes, ovos, que são também produtos ricos em gordura monossaturada e colesterol. Haverá vantagem para o indivíduo promover uma perda de peso, mas aumentar a sua ingestão diária em alimentos ricos em gordura, colocando em risco a sua saúde cardiovascular. E que manutenção de perda de peso se consegue com este individuo?

Parece-me, enquanto nutricionista, que o papel deste tipo de livros é apenas motivar, embora pela ignorância e desconhecimento do risco associado, para a perda de peso, sem garantir resultados de emagrecimento saudável e de comportamentos alimentares mais saudáveis e preventores de doença. Mas, apresentando uma venda livre, por se tratar de um livro, qualquer individuo adulto ou adolescente, obeso, cardíaco, diabético, pode por iniciativa própria, sem supervisão e responsabilização médica/ nutricional, assumir este padrão alimentar colocando, em alguns casos, a sua saúde em risco. 

Há pelo menos 10 anos atrás, a população americana manifestou-se contra uma cadeia de alimentação fast-food, tentando responsabilizar esta pelo grau de doença dos seus consumidores. Isto porque a investigação exigida na altura assumiu que determinados tipos de doença, como a diabetes, a obesidade, hipertensão e até mesmo alguns carcinomas estavam relacionados com o consumo destes alimentos. A população lesada acabou por perder contra a cadeia de restauração fast-food, isto porque o consumidor é livre de optar/ decidir e responsável pelos seus atos. A cadeia fast-food defendeu-se, apesar de reconhecer que o padrão alimentar está na génese de diversas doenças, e, por isso mesmo tenta a cada dia oferecer hipóteses mais saudáveis de alimentação rápida, mas que não podia ser responsabilizada pela escolha do consumidor final.

Com este tipo de oferta livre, na área do emagrecimento, verifica-se a mesma situação. O emagrecimento é conseguido, não é saudável, pode afectar a saúde do individuo, há um consumo excessivo de gorduras saturadas, colesterol, sal, nitritos e nitratos. Há cetogénese que não é vigiada. Há alteração de várias vias metabólicas. Há alteração do funcionamento, essencialmente, do órgão hepático e aparelho renal.

Haverá vantagens para o seguidor deste tipo de dietas quando estamos num País de elevada riqueza e variedade alimentar. Como é trabalhada a manutenção de peso nestes casos?
Um ano após a Candidatura Portuguesa da Dieta Mediterrânica a Património Cultural e Imaterial da Humanidade da UNESCO, estes novos conceitos de emagrecimento dão que pensar.



quinta-feira, 15 de agosto de 2013

3 anos and counting

 
 
 
 
Um dia em que se respirou Amor. De todos. Deo gratias!!



terça-feira, 13 de agosto de 2013

Aditivos Alimentares: os "E"

Quase que poderia dizer que não há programa do Dr. Oz em que não fale mal dos "E". 
Não que seja assídua espectadora destes programas, mas a verdade é que a minha impressão não era a melhor sobre este tipo de ingredientes.

No outro dia, numa ida ao supermercado, decidi ver que produtos consumíamos habitualmente e tinham estes "E" no seu rol de ingredientes. Pois a surpresa foi mais que muita: cerca de 70 % dos produtos que consumimos têm estes "E". 

Até o pão fresco!! Não há pão fresco que não tenha este elemento!!

Mas afinal, de quê que isto se trata?

Fonte: www.familieseatingbetter.com



Os "E" são a designação comunitária para aditivos alimentares. 
Os aditivos alimentares são produtos, químicos ou naturais, que adicionados aos produtos melhoram alguns dos seus aspectos, podendo até mesmo criar novas características, que um determinado produto não teria por si só. Servem para conservar, colorir, intensificar o sabor, alterar a textura...A legislação europeia define-os assim:
"Qualquer substância não consumida habitualmente como género alimentício em si mesma e habitualmente não utilizada como ingrediente característico na alimentação, com ou sem valor nutritivo, e cuja adição intencional aos géneros alimentícios, com um objectivo tecnológico, na fase de fabrico, transformação, preparação, tratamento, embalagem, transporte ou armazenagem, tenha por efeito, ou possa legitimamente considerar-se como tendo por efeito, que ela própria ou os seus derivados se tornem directa ou indirectamente um componente desses géneros alimentícios"

Podem-se dividir em várias categorias: espessantes, corantes, conservantes, antioxidantes, reguladores de acidez, agentes de tratamento, emulsificantes, edulcorantes, entre muito outras mais.

A sua utilização nos bens de consumo é regulamentada e vigiada pela UE e pelos organismos de Segurança Alimentar de cada país. Ainda assim, é importante chamar a atenção para alguns aspectos:

1. Muitos destes aditivos têm origem natural e são super-concentrados de um composto natural. Ora isto não significa que seja inofensivo para o organismo. Por exemplo, o glutamato monossódico, um composto naturalmente presente no tomate maduro, quando consumido assim não tem qualquer efeito nocivo para o organismo; já quando consumido sob a fórmula concentrada muitas vezes utilizada em vários produtos para intensificar o sabor, pode ser prejudicial;

2. Há certos aditivos alimentares, especialmente corantes, que são particularmente nocivos para as crianças e estão presentes em muitas coisas que lhes damos: bolos, gomas, rebuçados, etc. Pode ler mais aqui

3. Alguns aditivos que devemos evitar:

Vermelho allura AC E129
É usado generalizadamente como corante alimentar, em snacks, molhos, conservas, sopas, vinho, cidra, etc.
Evite-o se o seu filho tiver asma, rinite (incluindo febre dos fenos) e urticária (uma erupção alérgica de pele).

Amarante E123
É usado generalizadamente como corante alimentar em compotas, geleias e decorações para bolos.
Evite-o se o seu filho tiver asma rinite, urticária e outras alergias.
Foi proibido nos EUA.

Aspartame E951
É usado generalizadamente como adoçante em snacks, doces, sobremesas, alimentos de «dieta».
Pode afectar as pessoas com fenilcetonúria. Relatos recentes mostram a ocorrência de dores de cabeça, cegueira e ataques, devido à toma de aspartame em doses elevadas e durante muito tempo.

Ácido Benzóico
E210
É usado generalizadamente como conservante em muitos alimentos, incluindo bebidas, produtos com pouco açúcar, cereais e carnes.
Pode inibir temporariamente a função das enzimas digestivas e pode esgotar os níveis de glicina. Deve ser evitado por quem tem problemas alérgicos, como febre dos fenos, urticária e asma.

Negro brilhante BN
É usado generalizadamente em bebidas, molhos, snacks, queijo.
Deve ser evitado por quem tem problemas alérgicos, asma, rinite, urticária, etc.

Butil-hidroxianisol (BHA) E320
É usado generalizadamente como conservante, especialmente em alimentos que contêm gordura, como chocolates e carnes.
A Agência Internacional para a Pesquisa sobre o Cancro (International Agency for Research On Cancer) diz que o BHA é possivelmente um agente cancerígeno para os seres humanos. O BHA interage também com os nitritos para formar químicos conhecidos como mutagénicos, (i. e. que causam alterações no ADN das células).

Benzoato de Cálcio E213
É usado generalizadamente como um conservante em muitos alimentos, incluindo bebidas, produtos com pouco açúcar, cereais e carnes.
Pode inibir temporariamente a função das enzimas digestivas e pode esgotar os níveis do aminoácido glicina. Deve ser evitado por quem tem febre dos fenos, urticária e asma.

Sulfito de Cálcio E226
É usado generalizadamente como conservante, numa grande variedade de produtos – desde hambúrgueres a biscoitos e desde cogumelos congelados a polpa de rábano picante.
Nos Estados Unidos os sulfitos foram banidos de muitos alimentos, incluindo a carne, já que fazem produtos mais antigos parecerem frescos. Podem causar problemas de brônquios, rubor na pele, pressão sanguínea baixa, sensação de formigueiro e choque anafiláctico. A Organização Internacional do Trabalho (OIT) recomenda a quem sofre de asma brônquica, problemas cardiovasculares, respiratórios ou enfisema que evite este produto.

Glutamato monossódico E621
É usado generalizadamente para intensificar o sabor.
Pessoas sensíveis ao glutamato monossódico já sentiram os seus efeitos, incluindo pressão na cabeça, ataques, dores no peito, dores de cabeça, náuseas, sensações de ardor e de tensão na face. Muitos produtores de alimentos para bebés deixaram de adicionar glutamato monossódico aos seus produtos.

Ponceau 4R E124
É usado generalizadamente como corante.
Quem sofre de asma, rinite ou urticária podem sentir um agravamento dos seus sintomas após consumir um alimento contendo este corante.

Benzoato de potássio E212
veja o benzoato de cálcio (atrás).

Nitrato de potássio E249
É usado generalizadamente como conservante em carnes curadas e enlatadas.
Pode diminuir a capacidade de transporte de oxigênio do sangue; pode combinar-se com outras substâncias para formar nitrosaminas, que são cancerígenas; e pode ter um efeito atrofiante na glândula supra-renal.

Para-hidroxibenzoato de propilo, parabeno de propilo, parabeno E216
É usado generalizadamente como conservante em cereais, snacks, patê, carnes e chocolates.
Os parabenos têm sido identificados como causa de dermatite crónica em muitas situações.

E954
É usado generalizadamente como adoçante, encontrado em produtos de dieta e sem açúcar.
A Agência Internacional para a Pesquisa sobre o Cancro concluiu que a sacarina é possivelmente cancerígena para os seres humanos.

Metabissulfito de sódio E223
É usado generalizadamente como conservante e antioxidante.
Pode provocar asma grave e potencialmente fatal – uma mulher desenvolveu asma grave após ingerir uma salada com um molho de vinagre contendo E223.
Sulfito de sódio E221
É usado generalizadamente como conservante no fabrico do vinho e outros alimentos processados. Também tem sido encontrado em carnes moídas.
Os sulfitos estão associados a ataques de asma. A maioria dos asmáticos é sensível aos sulfitos nos alimentos.

Cloreto de estanho E512
É usado generalizadamente como antioxidante e agente de retenção de cor em alimentos enlatados e engarrafados e em sumos de fruta.
Já foram relatados casos de envenenamento agudo após a ingestão de sumos de fruta contendo concentrações de estanho superiores a 250 mg/l – causa náuseas, vómitos, diarreia e dor de cabeça.

Dióxido de enxofre E220
É usado generalizadamente como conservante.
O dióxido de enxofre reage com uma grande variedade de substâncias encontradas nos alimentos, incluindo as várias vitaminas essenciais, os minerais, as enzimas e os ácidos gordos essenciais. As reações adversas mais comuns aos sulfitos são os problemas brônquicos, especialmente naqueles que têm tendência para a asma. Outras reacções adversas podem incluir a hipotensão (baixa pressão sanguínea), rubor, sensações de formigueiro e choque anafiláctico. A OIT diz que deve evitar o E220 se sofrer de conjuntivite, bronquite, enfisema, asma brônquica ou doenças cardiovasculares.

Amarelo-sol FCF E110
É usado generalizadamente como corante.
Estudos em animais indicaram atraso no crescimento e perda de peso grave. As pessoas com asma, rinite ou urticária devem evitar este produto.

Tartarazina E102
É usado generalizadamente como corante amarelo nos alimentos.
O que precisa de saber: pode causar reacções alérgicas em cerca de 15 por cento da população. Pode ser uma causa de ataques de asma e tem sido relacionado com a ocorrência da perturbação de hiperactividade em crianças. Aqueles que sofrem de asma, rinite e urticária podem sentir um agravamento dos seus sintomas após a ingestão.

 (fonte: http://futurambiental.com/aditivos-alimentares-que-devemos-evitar/)


Em suma, é praticamente impossível fugir por completo a todos estes aditivos alimentares. Ainda assim, devemos fazer um esforço e ler sempre os rótulos dos produtos que compramos, tentando fazer sempre a opção mais saudável.
Para saber mais sobre este assunto, pode consultar os seguintes sites:

UE: Europa Press
aditivos a evitar


Fonte: vchoiceblog.com

Saldos...


segunda-feira, 12 de agosto de 2013

éMe bohèMe

Conheci aqui esta loja e apaixonei-me por estes sapatos.

Fui lá hoje para conhecer o conceito, o espaço...e trazer os sapatos, mas já não havia o número que queria.

Ainda assim, a viagem valeu a pena. 
Fica em Alverca do Ribatejo, a 20 minutos de Lisboa, e chega-se lá bem. Decoração giríssima, com um mix das melhores marcas e que mais nos levam a consumir nos dias de hoje: Xuz, Vintage Bazaar, Lollipops, Caia, Aldeia da Roupa Branca, Castelbel, TiTi, entre mil e uma outras...um sem fim de produtos com pinta e muito, muito estilo. Desde cheirinhos para roupeiros, a letreiros, bolsas, estojos...de tudo um pouco se encontra neste espaço vintage.

Saí de lá sem os sapatos (by the way, se alguém vir este modelo em 39, peço que me avise!!), mas com a certeza de que lá voltarei! Like, like, like!






Adicionar legenda
























Sunset

O milagre dos pés na areia quando se tem bebés pequenos..




BFF

Best Friend Forever desde a semana passada: